Domingo, 25 de Fevereiro de 2007
O aborto
Vivemos num mundo global. A multiplicação de temas faz com que os indivíduos por vezes não consigam discernir qual o assunto mais importante para ser tratado naquela altura, naquele determinado momento. Pois bem, rumando em direcção à sustentabilidade, penso que o passo fundamental será o de definição de prioridades, isto é, entrarmos numa escala de análise do mais importante para o menos importante.

Seguindo esta linha de raciocínio e olhando à nossa volta, será que a temática da interrupção voluntária da gravidez terá de ser central na nossa linha de discussões?

Pois bem, na minha opinião é a própria Mãe Natureza quem está prestes a fazer um aborto caso não se tomem medidas urgentes e definidas para que se resolvam problemas ambientais gravíssimos, como o aquecimento global. Os sinais são notórios e são já evidentes em ambos os pólos, onde as camadas de gelo estão rapidamente a desaparecer. Logicamente, e não será necessário ser um grande cientista para o afirmar, os níveis médios dos oceanos subirão e com isso muitos locais do nosso planeta tendem mesmo a flutuar no futuro. A situação é grave e mais grave ainda é ver que o tempo encurta e infelizmente o toque de alarme ainda não dado. A discussão é urgente, urgente!

É a inércia que me incomoda e mais do que isso o despejar de assuntos supérfluos por parte das entidades oficiais perante outros tópicos que realmente considero importantes de serem debatidos. A ascensão das novas potências asiáticas, por exemplo, poderá ser um rude golpe nas aspirações do nosso tecido económico, caso não sejam tomadas medidas que impeçam esta invasão brusca.

Mas temos mais…muito mais! A nossa taxa de sinistralidade continua alta; os níveis de sedentarismo, por exemplo, têm provocado um aceleramento de problemas cardiovasculares; a nossa justiça ainda funciona de modo lento, sobretudo no âmbito do entupimento dos tribunais com questões da “unha encravada”…

E agora pergunto, será que a discussão sobre o aborto é prioritária? Deixemos, de uma vez por todas, todos aqueles que foram gerados de forma consciente ou inconsciente no recanto do seu “pequeno paraíso” onde felizmente ainda tudo funciona, onde não há preocupações! Quanto a nós tratemos de arrumar a casa e, ao mesmo tempo, de criar condições para que os nossos bisnetos ainda possam viver em harmonia. E os bisnetos deles…e os bisnetos deles…


publicado por Gil Nunes às 00:19
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds