Sábado, 12 de Setembro de 2009
Justificação de voto e governantes estrangeiros

 

Não me conformo com o actual estado da democracia. Ou se quiserem com o próprio conceito de democracia. Acho que é algo de muito incompleto, que não se encaixa nas características deste país e das pessoas em particular.
Votar é algo de extrema responsabilidade. Confere ao votante a possibilidade de escolher um determinado projecto político para gerir a vida de um determinado conjunto de pessoas. É um pensamento digno, registe-se. Mas ao mesmo tempo extremamente irresponsável. Será que toda a gente que vota sabe o que está a fazer?
Eu julgo que não e indicadores como o facto da revista “Maria” ser a mais lida em Portugal reforçam o meu argumento. Faço entrevistas de rua, contacto com as pessoas. A maior parte delas não sabe definir os princípios do comunismo, do liberalismo, da economia de mercado. Mas exercem o seu direito de voto, tal e qual como outra devidamente especializada no assunto.
Extremista? Não me considero. Porque ao definir habilitações a uns no acto do voto estou a ajudar todos aqueles não estão preparados. Sem lhes tirar o chão dos pés. Dando-lhes novas oportunidades de se formarem e adquirirem competências. Eu defendo a justificação do voto.
Um pequeno teste de ciência política, algo de muito simples mas que possa dar um real direito ao votante. Um escrutínio obrigatório em que a participação de todos pode de facto ajudar a comunidade. Uma medida feita em prol daqueles que não entendem o fenómeno e que assim podem ser ajudados para que também eles, no futuro, possam participar na hora da decisão.
A esta medida acrescento a nomeação de governantes estrangeiros. Com os portugueses a não darem respostas válidas, e ainda por cima a decidirem sobre o espectro emotivo, porque não chamar  políticos com provas dadas noutros países para aqui virem replicar o seu modelo de desenvolvimento? Penso que seria uma medida sensata, com pernas para andar, e que contribuiria por certo para uma troca de experiências benéficas entre todos. Ao contrário do que possa parecer, penso que seria mesmo um grande reforço do nacionalismo. Ao fim ao cabo, somos do tamanho dos que nos rodeiam!

tags:

publicado por Gil Nunes às 02:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds