Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009
As gorjetas do Canadá

 

Não suporto individuos que se fazem às gorjetas. E acho que o fenómeno não é cultural. É uma questão de bom –senso, cuja resposta provém da nossa consciência e não dos ditames de qualquer sociedade. Dar uma gorjeta representa para mim o mesmo que cuspir para o chão. Não dou nem suportaria receber.
No momento da realização do trabalho, o indivíduo tem duas opções: bom ou mau profissional. Se é bom corre o risco de ser recompensado suplementarmente pelas suas acções; se é mau sujeita-se ao que há, sendo que este comportamento não é censurável. São opções.
Em Vancouver tive duas situações curiosas. Na primeira delas, no restaurante do Stanley Park, o empregado revelou-se exageradamente simpático. Perguntou-me de onde eu era, disse-me que sabia dizer umas palavras em português etc. E depois era aborrecido. “O pão do teu hamburguer queres com grão? O bife bem ou mal passado? Aqui tens mais uma sprite, aqui não se passa sede”. O que à partida pode parecer um discurso simpático, eu topava ali uma nítida aproximação à gorjeta choruda do estrangeirolas. Não sei porque mas o tom daquele tipo não me inspirava qualquer tipo de simpatia.
Na altura de pedir a conta, esvaziei todo o meu porta – moedas para a mesa. Disse-lhe que não estava familiarizado com as moedes e pedi para tirar o valor da conta. O tipo lá tirou e ficou a olhar para o resto das moedas com aquele ar de “that’s it???”. Peguei nas moedas espalhadas pelo balcão e fui-me embora. O tipo quase que me esbofeteou com os olhos. Nem me despedi. Eu detesto pessoas artificiais e graxistas. E pouco inteligentes.
Se aqui me armei em justiceiro, no passeio a Victória fui bem mais generoso. O guia, Aubyn, sabia pormenores incriveis da história do Canadá. Respondia a todas as questões com uma enorme clareza, mostrando estar bem documentado em todas as matérias. Fiquei a saber porque motivo era Victoria a capital e não Vancouver, as motivações do arquitecto de Victoria e a conhecer a cidade em todas as suas dimensões. Sem ele me pedir, deixei-lhe 20 dólares no final. Há gente que merece a minha generosidade. Adoro gente inteligente e culta.


publicado por Gil Nunes às 15:39
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds