Quinta-feira, 27 de Março de 2008
Laax Dia 4
Sim, já fomos ao Liechtenstein! Hoje, logo de manhazinha, rumamos a oeste e o nosso primeiro destino foi esse pequeno principado que uma vez empatou connosco a duas bolas.

 Com uma área reduzida, vimos o Liechtenstein num abrir e piscar de olhos. Depois disso rumamos a Lucerna, onde realizamos uma pequena visita ao rio, as lojas(muito bom gosto) e as ruas tipicas. Almocamos num restaurante em que a comida deixou um pouco a desejar, sobretudo aquelas batatas desensabidas. Com dificuldades de comunicacao, valeu-nos a empregada portuguesa.

 Apos o almoço prego a fundo no acelerador a caminho de Saint Moritz. No topo da colina, a verdadeira foto chocante e desafiadora dos serrotes do frio. Mostramos que o portugues é cheio de frio e a dita fotografia promete correr mundo. Esperem para ver!

Antes de chegarmos a Laax, paragem em Chur para jantar. O “Gambrinus” foi sem duvida o melhor restaurante que aqui pudemos desfrutar. Comida bem temperada, boas e suculentas doses e gelados “al gusto” com um cumprimento do cozinheiro portugues no final do repasto. No caminho para o carro liguei para a Ines Botelho, uma amiga que vive em Milao e que amanha provavelmente vira jantar connosco.

 De regresso ao quarto, preparamos as coisas para a saida amanha de manha. Na RTP Internacional um programa de entretenimento britanico faz passar o tempo enquanto esperamos pelo sono. O despertador esta preparado para as 6h30! Ate amanha


publicado por Gil Nunes às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 26 de Março de 2008
Laax Dia 3
Hoje foi um dia relativamente calmo. O despertar foi cedo e propicio a um bom dia de esqui. A temperatura estava mais alta, -4, o que facilitou o desenho da jornada. Decidimos fazer a primeira pista em conjunto para aquecermos. Estranhamente, muitos de nos cairam nos instantes iniciais. No meu caso, enganei-me no percurso e estatelei-me junto a um canhao de neve, partindo os oculos. Nesta altura registo para a boa accao do Filetes, que ajudou uma crianca que tinha caido, carregando-lhe o material escarpa acima

A partir dai separamo-nos e foi cada um por si. Subi a estacao intermedia para fazer por duas vezes a pista vermelha, enquanto eles ficaram mais tempo na pista azul. Tudo foi feito sem sobressaltos.

No intervalo das pistas, andamos sempre de teleferico. Numa dessas vezes conheci a Cindy, uma australiana que esta hospedada no hotel ao lado e que me disse a melhor forma de passar ferias na Australia sem gastar muito dinheiro.

Almocamos numa confeitaria junto a uma das bases e subimos rumo ao pico, local que ontem estava insuportavel. Hoje, com ceu limpo, conseguimos ver toda a magnifica paisagem. Neste ponto separamo-nos: eu e o Joao a frente para fazermos as pistas mais avancadas e o Rema, Filetes e Pedro a fazerem as azuis.

So voltamos a estar juntos ao final da tarde. Ai decidimos que era melhor parar com o esqui pois ja estamos completamente esgotados. Amanha o dia ser destinado a conhecer Zurique e Lucerna.

Vamos jantar para daqui a pouco vermos o jogo da seleccao. Em cima da mesa esta a discussao de distribuicao de camas. Como o Filetes ressona muito(confunde-se mesmo com os canhoes de neve) pretendem que eu me retire da minha cama para que o possam agredir durante a noite. O espectaculo vai continuar pois nao irem ceder.

Ate amanha

tags:

publicado por Gil Nunes às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Terça-feira, 25 de Março de 2008
Laax Dia 2- Um susto de morte
Apanhei um susto que por certo irei lembrar para a vida. Depois de umas voltinhas na pista mais acessivel do circuito, decidimos partir para a aventura das pistas negras de topo, aquelas mais complicadas. Para piorar as coisas, um temporal impressionante fazia com que nada vissemos a frente do nosso nariz. La em cima, num ambiente agreste, os elevadores comecaram a parar mal nos chegamos, por causa da falta de condicoes. O Filetes tinha ficado ca em baixo e o Rema deu logo meio volta pois, conscencioso, viu que nao existiam condicoes de descida. Apenas de um susto de morte.

O Seabra, que partiu em primeiro, conseguiu colocar-se a um grupo relativamente extenso e fez a descida com um certo acompanhamento. O pior aconteceu comigo e com o Pedro. Estava eu rolando escarpa abaixo com alguma velocidade quando me sai um esqui do pe e me estatelo na neve com algum aparato. Com aquela temperatura e com visibilidade zero, o primeiro tormento prendeu-se com a recuperacao do esqui em falta, que ficou bem mais acima. Com aquela temperatura qualquer simples movimento e extremamente brusco e cansativo. Subi prai tres metros e, mal recuperei o esqui, descansei cerca de 10 minutos, altura em que chegou o Pedro, esse sem sobressaltos.

A custo levantei-me e tentei recolocar o esqui mas com neve ate a cintura torna-se uma tarefa extremamente complicada para nao dizer impossivel. Como as pistas ja estavam encerradas, muito pouca gente passava pelo que me comecei a assustar. Primeiro larguei os esquis e comecei a correr escarpa abaixo mas passados poucos metros claudiquei. Comecei-me a assustar pois perdi totalmente a sensibilidade nas extremidades e ja se tornava doloroso tentar levantar-me. Disse ao Pedro para avancar enquanto tentava pedir ajuda via telemovel. Ao longe vi um individuo e gritei a plenos pulmoes por ajuda. Finalmente ouviu e conseguiu ajudar-me.

Eu nao falo alemao, e ele tao pouco ingles. Com poucas forcas agarrei-me aquele individuo e, os tres, tentamos que os esquis fossem calcados novamente, pois sem eles ficava mesmo la. Depois de meia hora de tentativas, e eu ja a sentir-me extremamente sonolento e zonzo, chegou outro individuo de snowboard que, me conseguiu colocar os esquis, eu que nessa altura ja estava deitado.

Atras do bondoso alemao, la conseguimos encontrar a saida e passados cerca de 2 km encontramos um grupo de pessoas. Descansamos e juntamo-nos a eles ate chegarmos a base.

Chegados ao cafe encontramos o trio Seabra, Rema(que tinha descido pelo teleferico) e Filetes. Almocamos e de tarde voltamos a esquiar, mas desta vez apenas na parte baixa da estacao ate porque as de topo tinham sido interditas.

Sem sobressaltos, fomos as compras ao final da tarde. De momento estamos no quarto a descansar, numa noite que se preve curta pois estamos todos esgotados.

Ate amanha



publicado por Gil Nunes às 17:22
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 24 de Março de 2008
Laax Dia 1
Sabem como eu prezo o meu bom vestir e a elegancia estetica. Por isso, compareci no aeroporto com uma bagagem um pouco maior em relacao aos meus colegas e mais uma mochila. Todavia os voos da Ryanair determinamam que os passageiros levem apenas uma mala, pelo que a minha primeira peripëcia do dia se prendeu com a distribuicao do excedente pelas malas dos meus companheiros de viagem. Mais aperto, menos aperto, tudo se conseguiu arranjar.

No embarque ali estava eu com dois casacos vestidos, tapando a mochila vazia seria proibida a bordo. Mal estou a passar a porta de controlo, uma funcionäria aborda-me para me alertar que nao posso levar liquidos com mais de 100 ml. Pimba, lä ficou a minha pasta de dentes no Porto. Com a azafama, e com os restantes passageiros a espera, passei pela porta de controlo sem apresentar telemovel, carteira, tirar o cinto,mostrar documentos e com uma bossa de cerca de 5 quilogramas nas costas, praticamente imperceptivel. Nao sei como lä consegui passar atë ser interpelado com um "alto. O que ë que leva ai no bolso" questionou-me com olhar severo. "Sao lencos de papel, senhor" disse eu ainda meio amedrontado. "Mostre-me" respondeu ele apontando.me para o bolso das calcas. La mostrei e assim tudo correu pelo melhor, depois de ter provado que os meus lencos de papel nao continham substancias psicotropicas, apenas muco nasal.

O voo correu bem, apesar da aterragem ter sido uma verdadeira pedrada. No aeroporto de Bërgamo pegamos no carro e seguimos rumo a Laax, com uma paragem para almocar em Lecco. Em dia de "Pascuetta" os restaurantes estao fechados mas a muito custo la conseguimos encontrar uma excepcao. Pena o empregado ser tao desastrado, deixando cair copos e talheres com uma facilidade extrema.

Com o Filetes ao volantes, rumamos a Suica e lentamente o termometro comecou a baixar. A saida de Italia a nossa estrada de percurso estava fechada devido a neve pelo que tivemos de fazer um desvio de cerca de 100 km. Atrasou-os um pouco, ë certo, mas o pior mesmo foi o frio: chegou a -13 graus negativos.

Chegados a Laax, e com um nevao que nao para, fomos comer a um restaurante das redondezas. Uma passagem pelo bar antes do recolher para amanha nos levantarmos pelas 7 da manha, rumo ao primeiro dia de esqui. Sao 23h21, hora local, e os termometros marcam -6 graus.

Abraco

tags:

publicado por Gil Nunes às 22:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 23 de Março de 2008
Uma conversa no "Ar de Mar"

Às vezes, quando estou sozinho no Ar de Mar ao final da tarde, tenho por hábito colocar-me discretamente a ouvir o que se passa na mesa da frente. Se bem que, para não me tornar cusco, só costumo dar conta dos primeiros retoques, desta vez a minha escuta foi bem mais alargada.

À minha frente um casal de rebeldes sem causa, como que saídos da turma 9ºC da Carolina Michaelis. Ela, com brincos em praticamente 60% dos poros, ouvia atentamente aquilo que se poderia chamar como tentativa de engate por parte do seu parceiro masculino. "Sabes como é, no 1º ano da universidade os rapazes só falam de alcool, droga e gajas. No 2º ano só se fala de droga e de gajas e no 3º ano só se fala de gajas".

Falava com uma determinação tal que parecia mesmo estar a relatar o último livro do Lobo Antunes ou a descrever o traço do Piero della Francesca. Os cigarros, que saiam a um ritmo estonteante, pareciam debroar a sua face com uma mística névoa de sapiência. Depois de ouvirmos o seu relato de vida, pouco espaço há para retorquirmos mas ainda assim vou tentar ultrapassar esse desafio.

Caro amigo, onde está o futebol no meio disto tudo? Estimo em saber que as gajas tenham ficado para os últimos anos da faculdade, pois tornar-se desinteressado nesse assunto estando ao mesmo tempo afogado em absinto e alucinado com ervas não me parece muito aconselhável, eu diria até perigoso e desviante. Onde estão as discussões de vão de escada sobre a saída do Miccoli, sobre o golo do Sektioui ao Marselha ou sobre os livres do Cristiano Ronaldo? Isto é grave, meu amigo, muito grave sobretudo se no meio das tainadas e das bebedeiras não houver uma partida de PES ou de Football Manager.

Do mesmo modo, penso que de futuro deve tomar em linha de conta que os temas alcool, drogas e gajas não são o melhor mote para se entrar em rota de engate com o sexo oposto. Se bem que nalguns casos possa resultar, devo dizer-lhe que na maior parte das vezes assim não se passa. Penso que só terá real noção deste caminho quando começar a alargar o seu leque de interesses. È como lhe digo, e registe este conselho de amigo, comece a ver uns joguitos que não lhe deve fazer mal nenhum. Pode ser que depois comece a gostar de música, depois de arte...até de ler quem sabe!

 

Nota- Estarei em Laax, Suiça, até dia 29 de Março. Tentarei actualizar o blog mas não sei se será possível!



publicado por Gil Nunes às 11:42
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Março de 2008
Os Dez Mandamentos...e a vacatio legis?

Hoje, sexta-feira santa, somos inundados na televisão de programas e filmes relacionados com a época festiva que atravessamentos. Na TVI, uma produção que não tinha visto contava a história dos dez mandamentos.

 

De todos os mandamentos, há evidentemente um deles que salta imediatamente à vista: "não cobiçarás a mulher do próximo", contemporaneamente traduzido por "não pirilamparás a mulher do próximo". Serve este exemplo para nos debruçarmos sobre a pertinência da aplicação legal dos mandamentos e, em particular, deste exemplo em concreto.

 

Depois de publicação de um lei no Diário da República, os cidadãos ficam sujeitos à lei anterior durante um período de seis meses, altura em que efectivamente se aplica à nova lei. Esse período tem o nome jurídico de vacatio legis. Ora, não tendo os dez mandamentos sido sujeitos a aprovação parlamentar, devo desde já aquilatar a sua pertinência. Contudo, para não entrarmos em blasfémia, e vindo de Quem veio, penso que poderemos  ultrapassar este aspecto.

 

Sobre o mandamento em particular, gostaria de saber o que se entende por "mulher do próximo". Afinal quem é o próximo, quem nos está próximo ou distante? Se esta questão já tem pano para mangas, o que dizer da morosidade dos processos de divórcio no nosso país? Se legalmente a mulher não estiver separada, não pode mesmo ser cobiçada por outrém? E já nem quero falar dos casos em que existe complacência por parte do conjuge, o chamado caso do "corno manso". Questões que ficam por esclarecer e que necessitam de alguns sublinhados.

 

 

PS- Falando a sério, sabe-se da minha posição contra o clubismo religioso e da substituição das crenças pelos valores, nomeadamente da paz, harmonia e fraternidade, sejam eles vestidos de qualquer forma de devoção! Viva o ecumenismo!

 


tags:

publicado por Gil Nunes às 19:44
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 19 de Março de 2008
O anti-Gil

Nota introdutória: O “Anti-Gil” foi criado seguindo uma linha de pensamento plana e horizontal. Caso deseje seguir a linha de pensamento esférica, por favor altere o título para “Descrição de Gil a 180º”.

 

Leninegrado, 19 de Março de 2008,

 

Acordei cedo, ainda o sol despontava no horizonte. Já não tomo banho há oito dias e as minhas unhas cortantes tendem a transformarem-se em garras. Às vezes as pessoas perguntam de que forma eu, Gilovskis, com algum dinheiro ganho pelo sucesso da minha loja de roupa hip-hop ainda saio à rua nesta figura.

 

Com a barba quase a roçar a minha taça de flocos pego na minha roupa mensal, antes de rumar ao metro em direcção ao trabalho, que fica do outro lado da cidade. Na loja nada de novo, as vendas correm de vento em popa e todos os meus empregados estão esbeltos e musculados, como sempre!

 

Na hora do almoço, e muitos cigarros depois, vou à tasca do Flaminov comer um dos meus menus predilectos: Papas de Sarrabulho, Sardinhas à la Plancha e para terminar uma bela dose de diospiros.

 

À tarde, depois de mais uma inspecção contabilística à empresa, vou até ao ginásio para mais uma aula de ballet. Já me considero um verdadeiro mestre na arte do “paso-doble”. Tenho a certeza que o Vladimir, meu companheiro, gostará desta minha evolução tremenda.

 

Encontro-me com ele no museu ao final da tarde, enquanto bebemos rum e absinto. São os meus aperitivos predilectos para uma noite em cheio no cinema com “O Andróide Comunista e os Cowboys do Espaço”. Que tema oportuno, adequado para responder ao e-mail do partido antes de me deitar. Não posso deixar a alma do proletariado morrer, atropelada pelo despudor capitalista.

 

Deito-me cedo, com o meu pijaminho de seda, que até já combina tão bem com o desgrenhado da minha barba e dos meus cabelos também apelidados de “fofinhos”.


tags:

publicado por Gil Nunes às 12:47
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 18 de Março de 2008
Petição contra os cadernos de napa preta

Todos os dias recebo no meu e-mail um pedido para aderir a uma petição. Seja pelos cãezinhos abandonados, pela isenção da cobrança do imposto xpto ou pela defesa dos interesses dos consumidores, a minha caixa de correio tem lá sempre uma entrada com um destes tópicos. Decidi hoje dar uma lufada de fresco nesta onda de petições, fazendo a minha própria, debruçando-me sobre um tema realmente importante.

 

 Ao longo da minha caminhada estudantil, a quase maioria dos professores me recomendou cadernos de napa preta. Ora, passados alguns anos, cabe-me fazer o balanço desta utilização constante e devo dizer que tal é profundamente negativo.

 

Apesar de eu não ser muito estudioso, reparei que o constante virar e revirar de páginas provoca um desgaste na napa, sustentada por apenas três agrafos. Pergunto como é que é possível um tão importante instrumento de estudo, como são os cadernos e os apontamentos nele contidos, estarem apenas sustentados por uma estrutura tão débil. Numa era de defesa do ambiente, nem quero imaginar a quantidade de fita-cola gasta para que a napa não se desprendesse das folhas.

 

Outro dos factores de desgaste é a chuva, que afecta sobretudo os não-mochileiros como eu. Meia dúzia de pingas e lá se vai a napa não impermeável.

 

Do mesmo modo, ao contrário de um caderno de argolas, os cadernos de napa preta não apresentam a mesma comodidade quando escrevemos nas páginas pares. Nesta parte, posso mesmo dizer que me sinto tentado a escrever mais para rapidamente passar para uma página ímpar. Se este fenómeno é bom em termos de aplicação no trabalho, tem o efeito contrário nas páginas ímpares. Também não quero imaginar a quantidade de ensinamentos “esquecidos” devido a este entrave inconsciente.

 

Não sendo também um pleno apologista dos cadernos de argolas, devo manifestar a minha insatisfação perante o facto de, ao longo dos tempos, não ter assistido a um maciço desenvolvimento da indústria de cadernos. Ainda me lembro dos cadernos de Sports Billy que usava na escola primária. Esses sim, ao menos tinham estilo. De todas as minhas lembranças de cadernos é a única que considero positiva.


tags:

publicado por Gil Nunes às 12:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Um dia no ginásio + Malu Mader

Com o intuito de recuperar a minha forma física e de impedir a propagação do fenómeno gordalhuco no meu corpo, decidi inscrever-me num ginásio. Como fica perto do emprego, tenho aproveitado os meus finais de tarde para realizar a minha sessão de treino.

 

Começo com umas pedaladas vigorosas na bicicleta. Acho entediante pedalar e não chegar a lugar algum uma senhora brasileira faz-me aligeirar a mente e leva-la a cavalgar para outras paragens. Olho para as meninas nas passadeiras e lembro-me da Malu Mader. Que bela actriz brasileira, marcante na sua geração, uma mulher de beleza rara que raramente aparece. Começo a fazer um scan na minha memória e lembro-me de várias cenas a cavalo numa telenovela chamada "Fera Ferida".

 

Chega a vez do remo e aqui não há Malu Mader que nos valha! Por muito que tente encontrar escapes, aqueles movimentos repetitivos mais que não são que ondas contínuas numa praia sem fim. Depois o walker e a manivela, mais dois exercícios monótonos mas que dado o pouco tempo utilizado consigo ultrapassa-los com tranquilidade.

 

Na parte das máquinas, a coisa torna-se mais divertida. Ao lado consigo estabelecer um "chit-chat" com algumas pessoas. Há sempre pretexto para se começar uma mini-conversa, nem que seja para nos queixarmos do exercício. Mais do que a componente física, esta parte do ginásio representa um verdadeiro estímulo social.

 

Na última parte do meu plano de treinos, a passadeira.  Apenas faço dez minutos mas com grande vigor. Ainda em mim tenho aquele pensamento primário que devo correr atrás de algo. Para isso, meus amigos, prefiro a Lavandeira. Extenuado recolho aos balneários. Enquanto me visto penso no miserável jogo que a equipa de juniores do F.C.Porto fez no jogo de ontem. Assim, penso para mim, não vejo jeito de revalidar o título. Nem com a Malu Mader como cheerleader!

 

PS- Este post é dedicado à Pilar que faz anos hoje! Parabéns!



publicado por Gil Nunes às 00:13
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Março de 2008
O Hino Nacional em Inglês

Por certo que os meus amigos Hugo Boaventura ou David Pais poderão corrigir um ou outro ponto que não estejam totalmente correctos nesta tradução do hino nacional. Afinal não se trata apenas de mais um cântico. Nesta metamorfose linguística, penso que perdemos todo o nosso portuguesismo, transformando-se um  sentimento patriótico numa espécie de melodia do Ohio interpretada por Janis Joplin.

 

Já estão a imaginar aqueles filmes melosos de domingo, onde um corvette percorre aquelas estradas sem fim em busca de nova aventuras com a sua amadas de camisa felpuda aos quadradinhos. Naquelas terras onde até o chefe da polícia é porreiro e joga poker ao fim-de-semana com o velho bêbado na cortina cinzenta do salão de chá.

 

Para conferirmos alguma latinidade à cena, de modo a colocarmos esta música Janis Jopin na telefonia no salão de chá, sugiro que as personagens bebam chá-mate. Neste quadro subtilmente adulterado, a pista da erva bebível traz aos mais astutos a recordação da história do nosso país.

 

 

The Portuguese

 

 

Sea heroes

Noble sea

Rise up today again

The splendour of Portugal

 

Between the mist of the memory

Oh native land we feel the voice

Of yours prominent grandfathers

That will guide you to the victory

 

To the weapons

To the weapons

On the land and the sea

To the weapons

To the weapons

To fight for our native land

Against the cannons, to march, to march!

 


tags:

publicado por Gil Nunes às 11:17
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds