Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010
Gil e a Igreja

Eu não me identifico com nenhuma religião. Preocupo-me sim, em ser um gajo porreiro. Porque as religiões não fazem sentido nenhum. “João, sempre foste honrado, digno e sério. Pena não teres sido baptizado. O Inferno espera-te”. Francamente…

 

Eu já pensava isto nas minhas primeiras idas à catequese. Era ao sábado de manhã e, se querem que vos diga, teria ficado bem melhor a saborear a cama. Valia pelo algum convívio, e jogos didácticos que fazíamos no jardim da Igreja de vez em quando. Mas só de vez em quando. De resto, era um chorrilho de disparates. Ainda bem que a Bíblia foi apenas escrita 30 anos depois dos eventos se terem passado: era a mesma coisa que eu agora me lembrar da cor da haste dos óculos do Padre Martins, ou então da blusa da Joaninha. Duplo francamente…

 

Era uma criança bastante chorona, diga-se de passagem, e não raras vezes saia da catequese de rastos por algum comentário mais infeliz que a dita comandita eclesiástica me mandava. Mas pelo menos ajudou-me a ser farsola.

 

“Olhe, tenho de me ir embora mais cedo porque os meus pais vão para a aldeia e estão à minha espera”.

 

Criança não mente, e lá ia eu todo contente a caminho de casa, sem qualquer problema. Lembro-me que, numa dessas vezes em que aldrabei(e não me arrependo) quase que fui atropelado por uma carrinha de caixa aberta. Aí fiquei angustiado: se calhar foi castigo divino. Eu acho que foi mais obra do Espírito Santo do Acaso…

 

Por falar em aldeia, uma vez puseram-me a andar com um dardo na mão numa procissão. Sim, eu chamo-lhe dardo. Pelo menos na minha imaginação sentia-me um Jan Zelenzy. Para os demais, era o destaque da procissão. Lembro-me que nesse dia parti os meus dentes da frente e quem me socorreu foi a minha falecida Tia Alice. Sem grande contacto com ela, esta é a recordação mais presente que dela tenho.



publicado por Gil Nunes às 00:54
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2010
Memórias dos 30 - O Pesadelo Trabalhos Manuais
Expressão plástica e trabalhos manuais nunca foram o meu forte. Neuroses sim. Sofria na calada por, naquelas duas aulas, saber que não era minimamente razoável. Hoje, mais adulto, por certo que ignoraria as aulas, e aproveitaria o tempo para colocar a leitura em dia, ou então mandar umas tampas para o colega do lado.

Este meu pesadelo reflectia-se no 1º ciclo, e também na preparatória. Posso-vos dizer que até dormia mal na noite anterior. Nos meus primeiros anos lembro-me que pintei um ovo de roxo. Ficou péssimo, e toda a turma olhou perplexa para aquela alarvidade. Cortar cartolinas e montar caixinhas também eram um suplício; guaches, pincéis e plasticinas para o colega do lado. Um verdadeiro zero!

No 2º ciclo, lembro-me que estava no quinto ano, e pediram à turma para fazer um trabalho sobre a água. Tentei desenhar uma torneira? Nada! Depois uma fonte? Menos que zero! Ora bem, nada como ser abstracto, ou pelo menos desenrascado. Falei com a turma toda e propôs-me a fazer as legendas se, em troca, alguns deles me fizessem o dito trabalho. Penso que devo ter tido o meu único “bom” em cadeiras de expressão plástica. A professora deve ter desconfiado.

Nestas disciplinas, tirei sempre positiva por dois motivos: complacência dos professores perante o meu bom aproveitamento noutras cadeiras; acordos secretos com os meus colegas. Foi assim que, por exemplo, escrevi a peça de teatro da escola em troca de um magnífico Pato Donald de barro! Ah, e lembro-me, tirei positiva sempre, mas de uma vez fiz batotice.

Em trabalhos manuais, a soma dos meus parâmetros dava um total de 40 pontos. Nada como um intervalo e um “1” antes do “5” para ter um magnífico “3” na pauta. Querem que vos diga? O professor viu e nem fez caso!


publicado por Gil Nunes às 15:45
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010
Auto-brincadeiras: todos os caminhos vão dar ao Estádio

Em criança, sempre tive imensos carrinhos. Não que eu gostasse de carros – não sei mudar um pneu – mas, por ser rapaz, recebia muitos. Eu acho que quando se gosta de alguma coisa, tudo consegue ser canalizado para essa coisa. Eu adoro futebol! Aliás, 30 anos volvidos, podem-me dizer que eu tenho imenso jeito para escrever, para inventar histórias, para línguas, o que for. O balanço está feito: a coisa que eu mais gosto na vida é de futebol!

 

Voltemos à história. O campo era geralmente improvisado numa alcatifa: dois livros de lombada fina a servir de baliza; um berlinde a fazer de bola; e os respectivos jogadores, que obedeciam a regras específicas:

 

- Os carros de competição eram guarda-redes;

 

- Os de carroçaria grande iam para a ala;

 

- Tractores como centrais;

 

- Os de cor escura eram destros, os de cor clara esquerdinos;

 

- As carrinhas de caixa aberta avançados;

 

- Os utilitários médios;

 

E assim se construíam as equipas.  Só eu é que jogava, é certo, mas posso-vos dizer que me chegava a perder naquela fantasia. Acaba por se tornar interessante na medida em que tentava fazer do inventado real, cumprindo as regras que tinha estabelecido. Apesar das voltas que a minha cabeça dava, conseguia ter alguns momentos de prazer. (Uma vez estava tão mergulhado naquilo, que estraguei uma tarte que a minha tia tinha acabado de fazer. Deu choradeira, eu sei, mas também tomavam-me por maluco se eu explicasse a razão. Aguentei a bronca)

 

Outra das brincadeiras que inventei era feita no terraço, com uma bola vermelha. Para se aceder ao terraço tinha(e tem) de se atravessar uma porta de correr. Mais uma baliza! Como guarda-redes colocava um estendal de plástico. Com ambos os pés tentava marcar golo, com um extra – bónus: se conseguisse colocar a bola no espaço compreendido entre a máquina de lavar e a parede valia 2 pontos! O vizinho de cima, Moreira, observava-me por diversas vezes!



publicado por Gil Nunes às 18:13
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds