Quarta-feira, 17 de Março de 2010
A TAP

 

É uma companhia aérea que todos os anos apresenta contas de prejuízo. A TAP, por outro lado, é reconhecida e louvada pela qualidade dos seus profissionais e pelo óptimo serviço prestado aos seus clientes. Como tal, há algo de errado nesta equação.
Na minha opinião a TAP não poderá subsistir como empresa pública. Está visto que não há solução possível, por muito bons que sejam os gestores, as optimizações de custo e de pessoal. Para mim, a resolução deste problema aparece, em primeira mão, pelo cancelamento do projecto do TGV. A prioridade no transporte de passageiros deve ser aérea, e há potencialidades para isso através da criação de bases aéreas por todo o país, e não pelos carris, mais direccionado para o transporte de mercadorias.
A TAP só poderá ser viável através de um modelo público – privado de exploração de “low costs” de Portugal e Espanha. Mudando as suas rotas preferencialmente para destinos de curta duração, a frota da TAP deverá ser mais económica, aproveitando-se as necessidades de deslocação dos responsáveis das pequenas e medias empresas, que naturalmente tem conexões privilegiadas com Espanha. Para o alto empresário, mantêm-se as ligações mais longas com as grandes capitais europeias(e países de expressão portuguesa), escolhidas de acordo com o seu tráfego habitual.
Para que isto se torne viável, a TAP deve encetar uma política de captação de investimento nos dois países, que aposte em construir definitivamente a rede de “low cost ibérica”. Naturalmente que a presença de capital espanhol seria importante e o papel dos Governos teria de servir como intermediário. É claro que ainda existem muitas variáveis a ter em conta, e o estudo deverá ser aprofundado, mas na minha óptica só através de um modelo do género poderemos salvar a TAP e também melhorar o transporte aéreo.


publicado por Gil Nunes às 11:43
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010
Don Bateman - Evitar e não resolver

Habituei-me a admirar pessoas que não resolvem problemas mas sim evitam-nos. O poeta escocês Robert Stevenson dizia que a altura mais apropriada para parar uma revolução é no princípio e não no fim. Não podia estar mais de acordo. Sou um indefectível admirador de uma data de heróis invisíveis, que preferem passar ao lado da história. Como um anjo da guarda, um suspiro que nos dá tranquilidade no meio do vazio. Don Bateman é um desses homens. Admiro-o muito.

 

Apesar da Liga dos Campeões, ontem parei o meu serão futebolístico. Tinha de ser, o Discovery ia falar sobre o Bateman. Meus amigos, este americano foi o inventor do GPWS, o pai do actual GPS. Depois de alguns desastres aéreos, o cientista canadiano criou um sistema capaz de indicar aos pilotos qual a altura do aparelho e a morfologia do terreno. Parece corriqueiro, não? Hoje vemos tudo em 3D. Este homem, porém, evitou inúmeros desastres aéreos comerciais e, mais do que isso, permitiu que os pilotos passassem a aterrar em situações extremas de nevoeiro. Foi um instrumento precioso na II Guerra Mundial em prol dos Aliados. Agora pensem nas mortes que evitou.
A necessidade, neste caso o desastre, aguça o engenho. Neste caso a solução. Quando se deu o acidente de Cali – em que o avião chocou com uma montanha -  os especialistas notaram que o GPWS não lia a informação que estava à frente do aparelho. Sem Bateman, mas com a sua lição bem presente, nasceu o GPS, instrumento de navegação em três dimensões(via satélite) que hoje dispensa apresentações. Foi uma espécie de "upgrade" do GPWS.
Depois de Cali deu-se o desastre do Concorde, em França. Ficou provado que o incêndio num dos depósitos de gasolina foi causado pelo rebentamento de um pneu, que passou por cima de uma tira metálica deixada por outro avião. Mais do que evitar as tiras metálicas, pediam-se outro tipo de pneus. Nasceu o kevlar, uma fibra cinco vezes mais forte que o aço, que hoje é usada por todas as companhias de aviação. Também agora, após o acidente da Air France, sucedem-se os estudos para se ter uma cobertura de radar total no Oceano Atlântico, evitando-se futuramente o hiato que causou a tragédia.
Quem foi o primeiro Rei de Portugal ? D. Afonso Henriques. E o primeiro a chegar ao Brasil? Pedro Álvares Cabral. Não falo de marketing, mas a história ensinou-me que há sempre um lugar de trono para o primeiro. No mundo da aviação, de ceptro em punho, reina Don Bateman. Seria uma das minhas entrevistas de sonho! Gostava tanto que os nossos políticos fossem assim...


publicado por Gil Nunes às 00:21
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

A TAP

Don Bateman - Evitar e nã...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds