Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009
Bifana

 

Apesar de ter sido há pouco tempo, recordo com saudade os tempos de confraternização no La Bodega de Vancouver . José, Paco e tantos outros que passavam pelo balcão e no instante passavam a ser amigos. Do convívio se passava rapidamente à risada, enquanto se miravam as belas pernocas das mexicanas que trabalhavam naquele estabelecimento.
 
Foi a oportunidade de ouro para matar saudade das amêijoas e do meu peixinho variado, que no Canadá escasseia. Aliás, naquele país o único peixe que eu vi com abundância foi o salmão, que é o peixe mais homossexual que existe. A sério, aquilo quase que passa por carne de vitela.
 
No meio do “chit – chat”, lá apareceu um fotógrafo canadiano que me disse ter estado em Portugal a fazer uma reportagem. Perguntei-lhe o que tinha gostado e ele respondeu-me que apreciou muito um fabuloso petisco da nossa praça: a bifana. E pediu-me para lhe dar a receita.
 
Sabem bem os que me rodeiam que não cozinho nada bem. Mas quando me perguntam sai-me sempre a receita “Carne de porco com ananás” que eu uma vez vi naquele programa da Roça com os Tachos. Por certo que Filipe Abrantes se lembra daquela mítica noite no Triplex em que uma sujeita me perguntou qual o prato em que eu era especialista. Disse-lhe a receita de trás para a frente e ela não duvidou por um instante. É por isso que eu digo que na vida mais vale parecer do que ser. Posso é garantir que, para compensar, sou muito asseadinho e até tenho um bocado a mania das limpezas.
 
Mas de bifanas não sei. E não me apeteceu estar a mentir, pelo que lhe disse que o melhor que tinha a fazer era ir ao Clube Português de Vancouver. Uma semana volvida não percebo qual a fixação na bifana. A última vez que comi uma bifana foi no Verão quando fui à quinta do meu pai. É daquelas coisas que não consigo dizer se está boa ou não, sabe-me sempre ao mesmo. A bifana é a minha caixa de embraiagens. Quando falo do meu carro nunca me refiro a ela, apesar de não me incomodar. É uma relação estranha e pouco íntima, sem qualquer tipo de relação emocional. Amorfa diria mesmo. Não seria capaz de entrar na “Confraria da Bifana”.


publicado por Gil Nunes às 16:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Bifana

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds