Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009
Breve ideia para dinamizar a industria da animação

 

Constato através de amigos da pouca receptividade do nosso país em investir e apostar na indústria da animação. Pois eu tenho uma ideia, pois considero que matéria – prima não falta para se fazerem boas histórias.

E que tal um telenovela brasileira em filme de animação? Das coisas que me fazem rejeitar alguma animação (e que me perdoem João Rema e Ana Luísa Santos) são as constantes história no bosque e na selva. Pode ser muito interessante, acho que sim, mas no nosso país de brandos costumes ficaria melhor outro tipo de alternativas.
 
Imaginem um boneco a retratar a Christiane Torloni. Todas aquelas expressões bucais à Manuela Moura Guedes, a agitação dos seus cabelos e a força dos gestos exacerbados. Isto para além das falas:

“Seu cafageste. Aquela jararaca que não pense que ti vai pegar, não vai não”.
 
È que sinceramente as imagens reais já não me captam a atenção. E os brasileiros têm um problema: falam muito para o meu gosto. Aliás eu já os considero desenhos animados reais. É só nadarmos em direcção ao fictício e tudo ficaria bem mais interessante.
 
É claro que podem dizer que o custo é um grande problema. Mas vejam só o magnífico universo que temos para vender o produto. Seria "maiô sucesso" de Manaus até Pelotas, passando por Vila Real.


publicado por Gil Nunes às 10:45
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009
Rod Stewart e Zeca Pagodinho

Não é um país cuja musicalidade e "modus vivendis" me façam brotar a alegria do espírito. Mas estive lá um mês e as recordações invadem-me com uma certa regularidade. Do que vi, uma ideia fixa: por muito que o desenvolvimento possa não ser uma miragem, os brasileiros não gostam de trabalhar.

 

Com 15 tive a oportunidade de partilhar um elevador com Rod Stewart. Estavamos instalados no mesmo hotel e o norte - americano era a suposta estrela do espectáculo de final de ano. Naquela altura Stewart deslocava-se até ao palco, instalado na praia, para fazer o seu checksound.

 

É claro que os mais ocidentais, ou os menos "brasileiros se assim os queiramos chamar, não perderam a oportunidade de apreciar de perto os dotes do artista, estando ele ali tão perto. Os autóctones observavam-no na tranquilidade do calor abrasador, dos soutiens desapertados e das ondas insistentes.

 

De súbito, como que calando o checksound, um "Zeca Pagodinho" começa a actuar de improviso num recanto da praia. E foi um "boom". Rabinhos dançantes, braços perdidos por entre um gaudio que caracteriza um Brasil sui-generis e opaca a injecção norte-americana. Brasil!


tags:

publicado por Gil Nunes às 23:24
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Breve ideia para dinamiza...

Rod Stewart e Zeca Pagodi...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds