Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2010
A discrimição da testa, o Madagáscar do corpo humano

A testa é uma das partes mais importantes do nosso corpo. Se repararem bem, a história da humanidade não poderia ter sido escrita sem o contributo de testas e testas que, paulatinamente, deram corpo ao sonho de muitos de construir um mundo melhor. Todos os reis de Portugal tinham testas. Por exemplo, a testa do Dom Afonso Henriques é bastante proeminente, o que por certo produziu no subconsciente mouro um fluxo de descrença e consequente derrota. O Barack Obama, por exemplo, tem uma testa bastante geométrica, que o leva a ser ponderado em decisões complicada. Não sou especialista em “testologia” mas tenho a certeza que boa parte do estado do Iowa se deixou seduzir pelo carácter afirmativo da testa do mulato havaiano.

A testa é discriminada. Vejam quando estamos a aprender uma língua estrangeira. Como é que se diz olhos? E nariz? E boca? Até sobrancelhas já me perguntaram. E pestanas. De testas ninguém fala. Basta pegar na fita métrica e constatar que é uma das partes que mais superfície ocupa na nossa face. Considero a testa uma espécie de Madagáscar do corpo humano. Cada vez que pego num planisfério lá está aquela ilha, majestosa, ao largo do Índico. Toda a gente dá por ela. No entanto, ninguém pergunta. Até vem um daqueles miúdos mais cromos, com as suas lunetas quadradas, e diz: “Sra. Professora não é aqui que fica Moçambique? A capital é Maputo, antiga Lourenço Marques!!!”
Entendo que a expansão das repas foi uma das principais responsáveis pela queda do culto da testa em Portugal. A moda do cabelo para trás, ou mesmo para o ar, já lá vai. O que fica bem é levar com um pára-brisas na testa. Depois é colocar em prospectos de cabeleireiros, com umas pernocas apetecíveis, e estragar com umas repas vincadas que quase atropelam os olhos. O português, por exemplo, tem uma repa agressiva, tocada pelo vento, que lhe dá um certo encanto. Ai, Maria Albertina, eu sei que a tua testa não é um espanto mas é cá da terra e… tem muito encanto. Maria Albertina como foste nessa de por repas à tua menina???
No meu caso particular, dado ter o cabelo rapado, tenho uma grande preocupação em que a  minha calvície induzida não retire todo o brilho celestial da minha testa. Digamos que me considero uma espécie de Luís Figo careca, em que o cabelo da frente é esticado com vigor. É por isso, meus amigos, que uns se casam com a Helen Svedin e outros não!


publicado por Gil Nunes às 12:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

A discrimição da testa, o...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds