Segunda-feira, 5 de Outubro de 2009
O hiato evolutivo do prego em pão

 

Mais do que um bom petisco, o prego em pão faz parte da enciclopédia da gastronomia portuguesa. É saboroso, económico e é sempre uma boa opção para ser comido enquanto se conversa com amigos.  Digamos que tem a funcionalidade de ficar bem no meio de risadas e, ao mesmo, satisfazer com seriedade os anseios do nosso estômago.
O grande problema do prego em pão surge no momento da dentada. Um bife menos tenro provoca o problema da dentada interminável, ou por outras palavras, o arrastamento do bife em todo o seu comprimento. Quando isso acontece ficamos com o pão e com o queijo para finalizar o petisco, o que necessariamente cria uma situação de orfandade.
Nesta equação podemos traçar dois cenários de resolução: ou pugnamos por uma nova consciência cívica de bife mais tenro ou então fazemos os cálculos de modo a que a dentada seja absolutamente implacável. Mas também aqui surge o terceiro problema: a questão do hambúrguer em pão.

 
Meus amigos, a visão não é tradicionalista. É realista. Prego em pão demasiado tenro é como perdemos o Alentejo para os espanhóis. Prego português que se preze é robusto demais para uns dentinhos de andorinha. Só é mordido por dentes de homens e moldado no travo aveludado da boca pela frescura da cerveja. Portanto, a grande questão surge em se criar um tipo de carne suficientemente robusta mas ao mesmo tempo capaz de ser trincada com relativa facilidade. Acreditem que este tipo de questão se coloca a várias áreas do saber sem ainda resposta plausível. Contudo, não queremos pregos desvirtuados: prego é prego, hambúrguer é para larilas!
Outro dos grandes problemas que se coloca à rijeza do bife prende-se com a quantidade de carne que colocamos na boca. Os problemas podem surgir no acto do deglutir, assim como também não é nada agradável estarmos a conversar com uma máquina de lavar na boca. Há casos, conta-se, em que houve mesmo quem cuspisse para o prato ou, mais grave, na casa – de – banho.
Em prol de todos, e sobretudo porque hoje se comemora a Implantação da Republica, espero que possamos reflectir em torno deste hiato evolutivo. Podem contar comigo para um prego em pão com menos dentadas, menos arrastamento e mais saboroso. Por todos, por Portugal!


publicado por Gil Nunes às 19:04
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Outubro de 2009
A hegemonia da cotonete

 

Volto hoje ao vosso convívio diário para vos falar de algo que me atormenta: a hegemonia das cotonetes no sistema auricular de limpeza.
 
É com consternação que vejo que fomos capazes de evoluir da vassoura para o aspirador. Os nossos rudimentares regadores foram substituídos por eficazes mangueiras, capazes de verdejar o recanto mais ínfimo do nosso jardim; aos poucos o “Sonasol” foi desaparecendo, em detrimento do “Calgonit” que pauta o ritmo das nossas máquinas de lavar.
 
Ao invés, as nossas belas orelhas continuam a ser limpas com um bocado de algodão. O sistema não é prático, até porque o cerúmen é empurrado para dentro, algo que não é aconselhável. Os médicos insistem que a cotonete não é o sistema mais indicado, mas o que é facto é que se tornou o verdadeiro “José Sócrates” da limpeza corporal. Usamos cotonete não porque gostamos, mas sim porque não temos alternativa melhor.
 
Sinto um certo desconforto ao ver que fomos capazes de navegar no caminho das escovas de dentes eléctricas. E aqui impunha-se um referendo: prefere ter mau hálito e ouvir bem; ou ouvir por um funil e ter uma dentadura à Paulo Portas? Eu, por mim, até que prefiro ter mau hálito. Não sendo muito beijoqueiro, é uma bela forma de me defender contra eventuais intrusos.
 
Penso que esta e outras escolhas devem ser feitas no momento antecedente à evolução. Enquanto isso continuo a fazer malabarismos com a cotonete: não a quero empurrar, quero é fazer um movimento invertido em que o meu cerúmen, em ricochete, é projectado para o exterior. Acreditem que não é fácil, mas para já tem resultado bem.


publicado por Gil Nunes às 12:28
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

O hiato evolutivo do preg...

A hegemonia da cotonete

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds