Quinta-feira, 15 de Outubro de 2009
O pensamento Marcelo Rebelo de Sousa

 

Para melhor descrever o pensamento “Marcelo Rebelo de Sousa” convido-vos a verem o filme “O Diabo veste Prada”. Há uma cena em que a Miranda, a dona da revista, vai a uma recepção política e a assistente, a personagem principal, fica encarregue de fixar os nomes de todos os convidados. Dizendo-os em surdina, Miranda desta forma não podia ficar mal.
 
Imaginemos Marcelo Rebelo de Sousa numa cerimónia, vamos ver, de embaixadores da União Europeia. A partir de tópicos vou tentar transmitir aquilo que me vai na mente e, por outras palavras, dar-vos a conhecer aquilo que eu penso desse “artista”.
 
1 – Marcelo Rebelo de Sousa coloca-se nas escadas, em posição estratégica para receber os convidados. Propositadamente perto de jornalistas ou indivíduos que supostamente são estupidamente perspicazes. Pensam que perceberam o que se passou por detrás da cortina mas não viram que existe ainda outra cortina por detrás dessa.
 
2- Chega o primeiro embaixador, Marcelo puxa da palavra “Emba… (que inicia ambas as palavras em português, inglês, espanhol e francês) seguindo-se uma risada abdominal.
 
A)    – Resposta inglesa com “o” transformados em “u” – Hipótese Embaixador do Reino Unido. Questão resolvida.
 
“For so long my friend, how are you?” pergunta Marcelo.
 
B)     Resposta inglesa com palavras muito lentas- Hipótese qualquer um dos países da Europa de Leste ou Escandinávia. Accionado neurónio do frio.
 
“This heat is killing us. Isn’t it ahahaha?”, pergunta novamente esperando que um dos embaixadores responda qualquer coisa do género “Aqui não é nada. Em Estocolmo até as tripas nos saltam” para a partir daí accionar o botão “Suécia” e por ai adiante, identificando os outros por exclusão de partes.
 
 
C)    – Resposta francófona com sonoridade cantada – Hipóteses França, Bélgica, Luxemburgo ou Suiça;
 
“ Comment t ´allez vous mon ami? Bonne revenues dans votre pays, n’ est pa? – pergunta , porque normalmente este países têm sempre boas notícias, seja do ponto de vista económico, cultural ou social. Se têm más notícias, o que é raro, há sempre qualquer notícia recente mais animadora
 
E por aí adiante, consoante cada um dos países da União Europeia.
 
Conclusão dos jornalistas à sua volta e dos indivíduos impressionados com o seu brilhantismo.
 
“ Este tipo é fabuloso, tem uma cabeça formidável. Conhecia os gajos todos, é incrível. Ele tem uma enciclopédia na cabeça!"
 
A sério, se não consegui fazer-me explicar, vejam ou recordem o filme!


publicado por Gil Nunes às 15:57
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009
A evolução distorcida do bloco de notas - Movimento Anti - Moleskine

 

Já não se fazem blocos de notas como antigamente. Blocos rudes, com as folhas a enrolarem à medida que se vão gastando. Todavia, o envelhecimento de um bloco de notas é algo de muito subjectivo: um bom utilizador de um bloco de notas gasta-o rapidamente, matando-a à entrada adulta. È uma relação em tudo parecido com a que acontece entre o individuo e o frango de aviário. Há, digamos, uma espécie de ritual.
 
Infelizmente tenho constatado que o bloco de notas tem sofrido uma evolução distorcida. Por outras palavras, evolui no vazio, para lugar nenhum. A rudeza é substituída pela estética, sem que tal seja sinónimo de eficácia em prol dos desejos do homem. É com particular tristeza que noto uma regressão, e diria mesmo um apanascamento do simples acto de tirar umas notas.
 
No outro dia precisava mesmo de comprar um bloco de notas. Não encontrando quiosques ao meu redor, tive de me deslocar à Fnac para adquirir um. Depois de muito procurar lá encontrei os ditos “Moleskines”, que eu posso descrever como a fina-flor da tragédia do bloco cosmopolita. Não têm aquele formato apresentável, com uma folha azul – e – branca a dizer “bloco A4” ou algo do género. Não! Agora temos um conjunto de folhas com linhas muito estreitas – que nos obrigam a emagrecer a letra o que já de si é extremamente amaricado – envoltas num cartão tipo de papel de parede com as extraordinárias cores amarelo e verde fluorescente.
 
Práticos e funcionais? Pura ilusão. Usei-os no último domingo quando fui a Olival fazer a reportagem de um jogo de futebol. Se diminuir o tamanho da minha letra já é uma tarefa hercúlea, imagine-se o meu transtorno em ter que estar constantemente a abrir o bloco, pois a força da capa (no seu movimento gravítico) impedia que a página se estabelecesse. E assim, em cada jogada de perigo, lá tinha eu de esgravatar à procura da minha última anotação. Mais do que esta falta de funcionalidade, imagino os comentários dos que rodeavam:
 
“Olha, lá vai aquele jornalista do bloquinho amarelo. Já estou a ver, o melhor jogador é o que tem as pernas mais bonitas”
 
E com razão. Funcionalidade e falta de estética são as principais razões para a minha objecção aos Moleskines. E eu, naquela manhã em que tanto quis destacar as defesas de Osório do Abambres, o melhor que consegui foi fixar os voos daquele jovem guarda-redes na minha mente numa espécie de momento Kodak – para mais tarde recordar.
 
Cheguei a casa, fiz a crónica do jogo e aniquilei toda e qualquer tentativa de supremacia Moleskine. Moro num 8º andar e não hesitei em mandar aqueles dois ridículos blocos que me custaram 15 euros pela janela fora. Conservador eu sou, poeta transpareço mas por favor estagnem o movimento evolutivo do bloco de notas.
 
Sei que há muita gente que não pensa como eu. Que aprecia os novos valores estéticos, da encadernação fina e da canetinha acoplada, pronta a registar todo e qualquer pensamento. Eu não lhes chamo de pseudo – intelectuais. Para mim são o traço característico do destino a que a sociedade se confinou. Mais vale parecer do que ser. E viva a supremacia do papel de parede, e que esconda aquele todo aquele devaneio banal. E até parece que já estou a ler:
 
“Numa relação tem que haver cedências de parte a parte. Caso contrário entramos num processo de ruptura”
 
“ O aborto é uma decisão difícil e que tem de ser ponderada”
 
“ Estar vivo é o contrário de estar morto”
 
Penso que a nova face dos blocos de nota se coaduna com o estereotipo do “Marcelo Rebelo de Sousa”. Vamos lá mandar borda fora meia dúzia de frases inteligentes, de La Palisse,  e analisar a realidade como se fosse algo de pioneiro. Por fora pintamos tudo muito bem pintadinho e a coisa passa sem que ninguém se revolte. Força Portugal!
 
 


publicado por Gil Nunes às 12:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

O pensamento Marcelo Rebe...

A evolução distorcida do ...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds