Quinta-feira, 16 de Abril de 2009
Noites de Wroclaw - A dança dos bracinhos

 

As duas noites de Wroclaw foram repletas de animação. Na sexta-feira deslocamo-nos ao “Kalamour”, um bar alternativo que certamente pessoas como o Sami iriam adorar. Nestes sítios, o meu visual latino fica muito deslocado no meio de brincos, piercings e pessoal marado da cabeça. No meio da cerveja lá conheço o maior pintor da Polónia. Sim, porque a minha veia jornalística fez-me cruzar a informação e confirmar aquilo que me estava a ser dito com insistência.
 
E no meio da animação conheço também uma rapariga baixinha bem constituída. O meu “timing” de ataque, mais uma vez, não foi certeiro e deixei-me antecipar por outro indivíduo. Fair-play reconhecido, virei-me para outras conquistas e cedo me deparei com outra rapariga, estava mais eslava, que no meu polaco arcaico percebi ser de Jelenia Gora (uma localidade fronteiriça com a Alemanha). Tinha mau hálito, senti logo. Apesar das curvas eslavas não serem dignas de nenhum quadro do pintor polaco, o que é certo é que conseguia ser aprovada na minha escala de exigência. Eu e o meu amigo ficamos a conversar com ela, até que a conversa fica animada e o pintor decide fazer das suas:

“Assim não pode ser, vamos deitar a moeda ao ar para desempatar”. Escolhi coroa e perdi. Se querem que vos diga nem fiquei muito chateado até porque já me sentia cansado. O meu amigo lá se empandeirou e eu, virando costas, não consegui obter novos pontos de interesse naquela noite. Acabei na mesa do bar a falar com um polaco sobre a instabilidade de exibições do Lucho Gonzalez na selecção argentina e no Porto (o tipo era fanático por futebol) e com o grande pintor polaco, que toda a gente olhava e me dizia que estava a ter uma oportunidade única de convivência.
 
O segundo dia trouxe mais animação. Ainda fomos ao “Capdefora”, onde travei conhecimento com uma rapariga que tinha estado em Peniche. Porém, o ambiente estava murcho e seguimos logo de seguida para o mítico “Mañana”. A festa estava de arromba, muito embora a música latina não fosse a mais apelativa. Foi aí que conheci a Karolyna, estudante de filosofia na universidade da cidade. Na Polónia, para se meter conversa com alguém, é muito fácil. Basta dizermos a baboseira mais estúpida que nos ocorrer que não há qualquer problema de rejeição. Eu, com o meu polaco arcaico, perguntei-lhe se me ensinava a dançar.
 
“Mas tu não és o espanhol, tu é que nos devias ensinar!””
 
“Isso são os espanhóis, eu sou português”
 
Então ela lá me ensinou a “dança dos bracinhos”, adequada ao facto do “Mañana” estar repleto e só podermos mexer os membros superiores. Posso dizer que me adaptei muito bem a este caldo cultural eslavo, tendo obtido bons resultados. A única circunstância que não me agradava era o facto de Karolyna ter um aspecto tipicamente latino: era morena, baixa, com cabelo encaracolado. Digamos que quando me desloco à Polónia estou à espera de jurek e não de caldo verde mas, paciência, são as consequências da globalização.
 
Nos próximos posts contarei a continuação desta aventura por terras de Miescko I, desta vez metendo sapatos pelo meio. Esperem para ver! Bizukae!

tags:

publicado por Gil Nunes às 11:31
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 5 de Julho de 2008
"Mr.Pawel, I presume" e "Soraya"

"Mr.Pawel, I Presume"

 

Tinha um cabelo castanho tão liso, mas tão liso, que parecia ter recebido a brilhantina mais poderosa do mundo. Com uma calças impecavelmente vincadas e uns sapatos engraxados até ao limite, Mr.Pawel coloria toda a sua indumentária com uma brutal t-shirt rosa-choque.

 

Era assim, pelos vistos, a moda na Polónia e a vida de Pawel, um pitoresco funcionário da Hestia, uma companhia de seguros onde me desloquei com o meu amigo Nuno Bezelga, a fim de este resolver alguns problemas pendentes relacionados com a sua viatura.

 

Na empresa, situada numa zona empresarial de Gliwice, o Sr. Pawel impressionava também pelas suas dificuldades em se expressar em inglês. Apesar do seu emperramento, havia uma palavra que ele dominava na perfeição: "insurance" dizia ele, com uma convicção que nos esbofeteava mais veementemente que a sua própria t-shirt rosa-choque. E passo a exemplificar:

 

"You.........(30 segundos)......................must....................(30 segundos).............do insurance!".

 

Para terem uma real noção da expressividade de Mr.Pawel, imaginem, durante as pausas, um olhar para o profundo infinito e um gesticular de braços igual ao de um maestro em plena actuação no Coliseu.

 

"Portugal............(30 segundos)............other.............................(30 segundos)...do insurance!"

 

"Poland......(30 segundos)...............no valid insurance(30 segundos).................Portugal insurance!".

 

 

"Soraya"

 

Para um estranho, as cidades podem parecer redomas de um mesmo labirinto que nos levam a flashes momentâneos de memória. No meu primeiro dia na Polónia, visitei Auschwitz. Levaram-me até à estação e posteriormente apanhei um shuttle até ao antigo campo de concentração. Depois da visita, parei no aeroporto de Balice a fim de alugar um carro.

 

E aqui vou eu de Ford Fiesta de Krakow até Gliwice. Segui as primeiras indicações anotadas num papel mas, em plena A4, um desvio motivado por obras. Começo a dizer mal da minha vida e mais atrapalhado da vida fico quando me deparo com um placard electrónico a dizer "Ruda Slomska". Com os meus botões, começo a tirar as primeiras hipóteses de resposta: "deverá querer dizer circule devagar", penso eu, reduzindo a minha marcha.

 

Gerei uma pequena fila de carros atrás de mim, chegando á conclusão pouco tempo depois que, de facto, Ruda Slomska era o nome de uma pequena localidade para onde se devia fazer o desvio para chegar a Gliwice. Num desconhecido, lá continuei a minha marcha até chegar ao meu destino.

 

Em Gliwice, as pessoas a quem perguntei direcções não falam ingles. Perguntava-lhes onde era Kozielska(a rua pretendida) e logo me aparecia tilintando as ouvidos um discurso polaco imperceptível. O que fazer, pensei eu, não querendo telefonar para não dar parte de fraco, até porque tinha garantido que chegava a casa sozinho.

 

Comecei a circundar a cidade em busca de pontos familiares. No centro da cidade de Gliwice, existe um mega outdoor com uma modelo muito atraente chamada "Soraya". E, para terem uma noção, o outdoor é tão grande que se vê noutros pontos da cidade. Sabendo eu que para chegar a Kozielska tinha de passar ao lado do outdoor, calcorreei todos os trilhos de estrada possíveis em busca da Soraya, a luz daquela cidade que me guiou a casa.

 

Neste aspecto, os polacos estão definitivamente uns passos à nossa frente. Andamos nós, com ideias seculares, a guiar o nosso rumo pelo Farol de Leça quando na realidade um mega- outdoor com uma top model podia perfeitamente servir de orientador para os nossos perdidos!Viva a santa Soraya, protectora dos forasteiros

 

Momento publicitário

 

www.hestia.pl

 


tags:

publicado por Gil Nunes às 13:10
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 11 de Maio de 2008
Jurek e algumas palavras polacas

Ainda no rescaldo das inesquecíveis férias na Polónia(obrigado amigo Nuno Bezelga por toda a hospitalidade), quero partilhar com vocês um excelente prato que tive o prazer de experimentar.

 

A Jurek é uma sopa tradicional polaca constituída por um mega-pão moldado em forma de mini-caldeirão. Depois de comermos o pequeno tacho, descobrirmos no seu interior um caldo com pequenos nacos de carne, verdura e alguns condimentos. O truque para que a nossa Jurek fique mais suculenta passa por molharmos o miolo do pão, que se encontra no seu interior, e mistura-lo com o caldo, fazendo assim uma espécie de sopa sólida.

 

Sou apologista que conhecer um novo país é também sinónimo de entrarmos sem receio nos seus costumes culinários. Apesar de ser um pouco condimentada, a comida polaca tem traços de gosto e de requinte, sofrendo influências de vários países que estão à sua volta. Além da Jurek, recomendo também o Strogonoff de carne. É uma espécie de tapas de carne de vaca, envoltas num molho extremamente acetinado. Acompanhado por batatas assados, posso dizer que é um belo jantar!

 

Mudando de assunto, na Polónia é muito dificil encontrarmos, no cidadão comum, alguém que fale fluentemente inglês. Deste modo, para nos desenrascarmos, é necessário aprender algumas palavras básicas para podermos comunicar. É claro que não podemos deixar de parte a destreza na linguagem gestual. Aqui ficam, de seguida,algumas palavras que aprendi. Peço que não levem a sério a forma como estão escritas, pois apenas vou ter interpretar a sua sonoridade:

 

Djin Dobre- Bom Dia;

Dobi Sagna- Adeus;

Pro Proche- Por Favor;

Jancuia- Obrigado;

Jancuia Varzo- Muito Obrigado;

Tak-Sim;

Niet- Não;

Levo- Esquerda;

Pravo- Direita;

Prosto- Em Frente;

Rasunia- Percebi;

Niet Rasunia- Não percebi;

Iac Movie Maoe Popolsko- Eu falo um pouco de polaco;

Perón- Linha

Maoe- Pouco

Varzo- Muito

 

Outros aspectos interessantes prendem-se com a forma como lemos os nomes das cidades.

 

Kraków lê-se "Krakuf"

Lodz lê-se "Utche"

Wroclaw lê-se "Brotssuava"

Nysa lê-se "Nissa"

 

 

 

 

 


tags:

publicado por Gil Nunes às 14:35
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Noites de Wroclaw - A dan...

"Mr.Pawel, I presume" e "...

Jurek e algumas palavras ...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
subscrever feeds