Domingo, 21 de Setembro de 2008
Visitas religiosas

 

Entendo que a maior parte das acções que tomamos ou pensamos são reflexo da cultura em que estamos inseridos. Noutros pontos do planeta, por exemplo, ser poligámico ou endeusar porcos ou vacas é perfeitamente normal. Este raciocínio estende-se, na minha óptica, à religião e ao culto, sendo eu um apologista dos valores e das acções positivas(pré-estabelecidas) em detrimento do clubismo religioso.
 
Na passada sexta-feira recebi a visita de dois pastores da Igreja de Jesus Cristo e dos Santos dos Últimos Dias, vulgo Mórmones. Tranquilamente, ouvi o que tinham para me dizer e ripostei na argumentação, esclarecendo a minha perspectiva de forma bem vincada. Falaram-me de uma nova forma de se chegar a Deus, assente numa dimensão diferente em que cada um faz a sua própria representação e se louvam os valores de família. A exposição soou-me a repetitivo, até porque já os tinha visitado há cerca de três anos a esta parte, na sua Igreja situada em Canidelo. Entendo que o seu trabalho deve ser respeitado e valorizado, até porque deve ser necessária uma paciência infinita para se ter um estilo de vida do género. Aprecio a forma como efectuam as pesquisas sobre os nossos antepassados, na minha óptica uma excelente maneira de nos conhecermos melhor.
 
No final da exposição lá me entregaram um livro fazendo-me prometer que ia ler e orar. Não prometi nada, é certo, mas recolhi o livro e guardei-o, lendo algumas partes por curiosidade. Assim acontecera há cerca de um ano, quando recebi a visita de Testemunhas de Jeová. O procedimento foi exactamente o mesmo, pedindo-me as senhoras o favor de ler um pequeno panfleto. Posteriormente escreveram-me cartas a pedir feed-back á abordagem, mas não mais dei sinal de vida.
 
Assim procedi com os pastores que hoje me visitaram novamente. Atendi-os mas pedi que me deixassem em paz. Admiro a sua persistência mas acho que devem tentar ajudar, religiosamente ou não, quem de momento estiver perdido, sozinho, doente ou desacompanhado. Não eu. De principio, foi verdade, fiquei com o peso na consciência de os ter despachado. Reflectindo melhor, e apesar da frieza, penso ter tido a atitude correcta.
 
Com isto quero dizer que mais do que qualquer cultura ou ideologia, os valores são sempre o mais importante farol de acção. Espero que os dois pastores consigam não transmitir a mensagem mas sim encontrar e fazer novos amigos, num contacto de benefício recíproco. Porque entendo que a vida não deve ser levada com privações, a bem de todos!

tags:

publicado por Gil Nunes às 23:44
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo Blog

Gil e a Igreja

Memórias dos 30 - O Pesad...

Auto-brincadeiras: todos ...

Memórias dos 30- Emanuel ...

Memórias dos 30 - O Marte...

Memórias dos 30 - Estrela...

O besouro(150 dias até ao...

Polonia -dia 1

A vodka é a principal cau...

arquivos

Abril 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Dezembro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Junho 2004

tags

todas as tags

links
subscrever feeds